EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Com uso da impressão 3D e a ajuda a projetos já existentes, nasceu a frente de desenvolvimento de equipamentos de proteção individual, os chamados EPIs, que está focada não só nos pacientes, mas principalmente nos profissionais da saúde.

 

Três premissas orientam esse trabalho:

 

• ser eficiente na proteção contra o vírus

• ser o mais simples possível em termos de produção e execução

• ser acessível a qualquer pessoa (open source).

 

Já existem diversas soluções sendo exploradas, como máscaras, protetores faciais (face shield) , etc., porém a nossa força está focada no aperfeiçoamento e/ ou criação de quatro soluções:


- Face Shields

 

A região da cabeça é a que mais deve ser protegida, por ser os olhos uma das principais portas de entrada do vírus, assim como vias respiratórias. Pensando nisso, a equipe do Motirõ implementou melhorias n um modelo de protetor facial, deixando-o mais ergonômico, vedado e sem nenhum vão entre o protetor e a testa.

O modelo pode ser baixado AQUI e produzido a partir de uma impressora 3D.

Alguns desses modelos foram entregues a algumas instituições médicas e tiveram seu uso aprovado.

 

 

 

- Poncho

 

Este dispositivo consiste em uma capa, que pode ser usada tanto pelo profissionais da saúde quanto pelos pacientes. O poncho cobre a maior parte do corpo, impedindo aerolização de qualquer contaminante que venha a ultrapassar barreiras, funcionando como uma segunda proteção. Por isso, ela vem a ser sempre um complemento ou um acessório à máscara VNI, no caso dos pacientes, e ao respirador de proteção individual, no caso dos profissionais da saúde. Algumas unidades do poncho já foram disponibilizadas para teste e uso em hospitais. Sua produção é bem simples e pode ser feita por qualquer pessoa a partir de manta plástica de cristal pvc (espessura 0.2 mm – 0.4 mm), cortada no tamanho de 1,0 m x 1,5 m.

 

 

- Capuz

 

Este EPI está focado para uso nos pacientes. O capuz impede aerolização de qualquer contaminante que venha ultrapassar as barreiras da máscara e serve como complemento ou acessório à máscara VNI, também definido como segunda barreira. A fabricação é simples e utiliza de técnicas de corte e costura, e materiais como lona e manta plástica.

O molde com medidas para fabricação está disponível AQUI para download.

Unidades deste item já foram colocadas para teste e uso em hospitais.

 

 

- Respirador de proteção individual – RPI

 

Aproveitando o aprendizado das máscaras de ventilação não invasiva (VNI) e aperfeiçoando um estudo da Universidade da Inglaterra, desenvolvemos esse dispositivo que soma o capuz com um sistema de ventilação portátil (desenvolvido com referência no sistema de exaustão da tenda, 3ª frente do Motirõ). O RPI está focado na equipe médica e de enfermeiros, proporcionando conforto, segurança e uma barreira na região da face (olhos, boca e nariz). O sistema captura e conduz ar do meio para dentro do capuz, especificamente na região da face de quem utiliza da solução. O ar capturado é através de um ventilador e, em seguida, passa por um sistema de filtro. Seu funcionamento se dá por meio de uma bateria que é levada nas costas em uma mochila, e pode ser facilmente recarregada. Para facilitar o acesso e a replicação da solução por todos que tenham interesse, estão em desenvolvimento duas soluções, uma mais simples e outra mais robusta, que ainda estão em fase de prototipagem e, em breve, passarão pelos primeiros testes.